Se hoje é comparado, em comentários reservados, a uma barra radioativa da qual é melhor manter distância, o pastor Gilmar Santos já foi figura mais magnética na bancada evangélica.
 

Pregador com quase quatro décadas de carreira, o líder religioso agora envolvido em escândalo no MEC (Ministério da Educação) é uma cara conhecida por vários membros do bloco e tem inclusive uma filha trabalhando no gabinete de um ex-presidente da bancada.
 

Segundo os registros da Câmara, Quézia Ribeiro dos Santos Costa entrou no time de secretários parlamentares de João Campos (Republicanos-GO) no dia 10 de junho de 2021, com ganho mensal em torno de R$ 4.000.
 

Foi acompanhado de Campos, seu conterrâneo de Goiás, que o pastor Gilmar Santos esteve com o ministro Ciro Nogueira (Casa Civil) em 2019. Seu bom trânsito em Brasília não se restringia ao MEC, onde negociaria, ao lado do assessor e também pastor Arilton Moura, a liberação de verbas para prefeitos. Os dois não possuíam cargo oficial na pasta.
 

Gilmar Santos é um rosto familiar para Jair Bolsonaro. Foi ele o encarregado de convidar o presidente para participar do congresso Gideões Missionários da Última Hora, um dos eventos mais importantes do calendário pentecostal no Brasil.
 

É o que o próprio conta, como mostram gravações daquele abril de 2019. Na ocasião, o pastor agradeceu à mesa diretora do congresso “pela confiança de eu ser o mediador e levar o convite dos Gideões para o senhor presidente Jair Bolsonaro”.
 

Bolsonaro, na ocasião, foi “muito gentil” e “de um apreço muito grande conosco, comigo e com o pastor Arilton, nosso assessor para esses assuntos, o Arilton Moura”, disse, referindo-se ao braço direito que, três anos depois, seria acusado de pedir pagamentos, até mesmo 1 kg de ouro, para liberar recursos para a construção de creches, escolas quadras e equipamentos de tecnologia.
 

“O presidente tinha nos dado 10 minutos, ficou quase mais de 20, naquela cortesia, naquela atenção”, afirmou o pastor. Pediu, então, que a igreja orasse “todos os dias” pelo mandatário.
 

Ele estava logo atrás no palco quando Bolsonaro discursou no congresso. O chefe do Executivo ainda encontraria Gilmar Santos e Arilton Moura ao menos uma vez naquele ano, outra em 2020 e mais uma em 2021.
 

Gilmar Santos já pregou lado a lado de deputados da Frente Parlamentar Evangélica, como Lauriete (PSC-ES) e Abílio Santana (PL-BA).
 

“O pastor Gilmar tem amizade com alguns membros da FPE”, diz o líder da bancada, Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), que não se inclui nesse pacote. “Todos os parlamentares que são seus amigos continuam achando que ele é um sacerdote com idoneidade, e acham que possivelmente o Arilton é quem deve ter praticado atos ilícitos, que ainda precisam ser investigados.”
 

À frente do goiano Ministério Cristo Para Todos, Gilmar Santos deve sua projeção nacional ao Gideões, entidade missionária que todo ano realiza seu congresso em Camboriú (SC). Ali fez profecias para outros nomes fortes do pentecostalismo brasileiro, como o deputado Marco Feliciano (Republicanos-SP).
 

Vídeo antigo mostra um jovem Feliciano falando para uma multidão e, em dado momento, Gilmar Santos vai até ele no altar, põe a mão sobre sua testa e fala palavras em seu ouvido, enquanto ele chora.
 

“Você consegue imaginar a tristeza que nós, evangélicos pentecostais, estamos sentindo? Ele sempre foi uma reserva moral”, afirma agora Feliciano, que ressalta tê-lo encontrado “raríssimas vezes” desde que estreou no Congresso, em 2011. “Eu era menino e já lhe assistia pregar. Se se comprovar que ele obteve vantagens indevidas nesta história, a decepção será grande demais. Oro a Deus para que tudo se esclareça. Dou a ele a presunção da inocência até que se prove o contrário.”
 

Amigo do bolsonarista Feliciano, mas em polo político oposto, Paulo Marcelo Schallenberger é outra cria do Gideões. Hoje próximo ao PT de Lula, o pastor conta que ainda estava no seminário bíblico quando, com colegas, ouvia fitas K7 com palavras do pastor Gilmar. “Chorávamos para um dia conhecê-lo.”
 

Pois eles se conheceram. Em 2015, meses após Paulo Marcelo ser preso sob suspeita de posse de drogas e arma no Paraná, Gilmar Santos dedicou-lhe uma palavra. “Lembra naquele dia, no hotel em Foz do Iguaçu”¦”, afirma o pentecostal. “Deus te levantou e Ele manda eu te dizer: não para!”
 

Gilmar Santos e Arilton Moura e Gilmar Santos, agora, são alvos de inquérito da Polícia Federal, que investiga a atuação informal deles no MEC. Áudio revelado pela Folha mostra o ministro da pasta, o também pastor Milton Ribeiro, dizendo que, quando priorizava “a todos os que são amigos do pastor Gilmar”, atendia a um “pedido especial que o presidente da República fez para mim”.
 

Moura já foi nomeado para um cargo comissionado na liderança do MDB na Câmara dos Deputados. Também já transitou em gabinetes petistas, como o de Ana Júlia Carepa, que governou o Pará de 2007 a 2011.
 

Casado com uma pastora, a irmã Raimundinha, Gilmar Santos cultivou por décadas a imagem de milagreiro, que teria o dom da cura divina.
 

A Folha tentou contato com os dois pastores na mira da PF, sem sucesso. Em nota com o timbre de sua igreja, Gilmar Santos negou “a falácia de que pedi, recebi, mandei pedir, ou, de alguma forma, contribuí, para o recebimento de propina, ou qualquer outro ato de corrupção junto ao MEC”.

0 comentáriosFechar comentários

Deixe um comentário